sexta-feira, 31 de março de 2017

SEM PRE CONCEITO

terça-feira, 31 de Março de 1964

O golpe de 1964 e a instauração do regime militar

A conjuntura de radicalização ideológica e o golpe militar > O golpe de 1964

A conjuntura de radicalização ideológica e o golpe militar > A Marcha da Família com Deus pela Liberdade

Golpe de 1964

Militares culpam a mídia pela desmoralização do regime militar de 64

sexta-feira, 31 de março de 2017

O desafio de uma Constituição | O Estado de S. Paulo

Moro critica projeto de abuso de autoridade e é atacado por petistas
Por Fabio Murakawa | Valor Econômico

Racismo ou preconceito? |  Por José de Souza Martins
- Valor Econômico

Uma boa proposta para o Brasil | Roberto Freire
- Diário do Poder


Brasilianas 1955 "Meus Oito Anos" direção Humberto Mauro

Referências

http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/FatosImagens/Golpe1964

http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/Jango/artigos/AConjunturaRadicalizacao/O_golpe_de_1964

http://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/Jango/artigos/AConjunturaRadicalizacao/A_marcha_da_familia_com_Deus

http://jk.cpdoc.fgv.br/fatos-eventos/golpe-de-1964

http://www.tribunadainternet.com.br/militares-culpam-a-midia-pela-desmoralizacao-do-regime-militar-de-64/

http://gilvanmelo.blogspot.com.br/2017/03/o-desafio-de-uma-constituicao-o-estado.html#more

http://gilvanmelo.blogspot.com.br/2017/03/moro-critica-projeto-de-abuso-de.html

http://gilvanmelo.blogspot.com.br/2017/03/racismo-ou-preconceito-jose-de-souza.html

http://gilvanmelo.blogspot.com.br/2017/03/uma-boa-proposta-para-o-brasil-roberto.html


Moro volta a defender prisão preventiva na Lava Jato

Sérgio Moro condena Eduardo Cunha a 15 anos e quatro meses de prisão
Ele foi acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.
Foi a primeira condenação do ex-presidente da Câmara na Lava Jato.

Por Jornal Nacional

“O juiz Sérgio Moro condenou o ex-deputado Eduardo Cunha a 15 anos e quatro meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Foi a primeira condenação de Cunha na Lava Jato.
O juiz Sérgio Moro condenou Eduardo Cunha por “ter recebido e movimentado, em contas secretas na Suíça, US$ 1,5 milhão proveniente do preço pago pela Petrobras na compra de parte de um campo de petróleo em Benin”, na África, em 2011.
Cunha é o único réu dessa ação, que veio do Supremo Tribunal Federal depois que o ex-deputado perdeu o foro privilegiado. As outras pessoas envolvidas na Venda Campo e a mulher dele, Cláudia Cruz, respondem a um outro processo que está na fase final.
Além da condenação, Moro confiscou os valores bloqueados na Suíça e proibiu Cunha de exercer cargo ou função pública pelo dobro do tempo em que ficar preso.
Na decisão, o juiz Sérgio Moro disse que a investigação contou com a cooperação de autoridades suíças. Elas entregaram documentos que indicam Eduardo Cunha como controlador, titular e beneficiário das contas por onde o dinheiro da propina passou.
Moro também afirmou que o álibi de Cunha é insustentável para justificar os depósitos. Eduardo Cunha disse que o dinheiro era a devolução de um empréstimo que havia concedido ao ex-deputado federal Fernando Diniz, que morreu em 2009. Mas, segundo o juiz, Eduardo Cunha não apresentou provas, deu explicações vagas para as transferências e caiu em contradições.         
Na sentença, Moro salientou que o ex-deputado utilizou “o enorme poder e influência inerente ao cargo, não para o fiel desempenho de suas funções, de legislar para o bem comum ou de fiscalizar o Executivo, mas sim para enriquecer ilicitamente”. 
E acrescentou que não pode haver ofensa mais grave do que a “daquele que trai o mandato parlamentar e a sagrada confiança que o povo nele deposita para obter ganho próprio”.
Eduardo Cunha está preso na região de Curitiba desde outubro de 2016. Moro disse que ele deve continuar na cadeia porque ainda pode ter outras contas secretas no exterior e porque tentou ameaçar e chantagear autoridades e testemunhas.
Moro citou como exemplo de intimidação algumas perguntas encaminhadas ao presidente Michel Temer, convocado como testemunha de defesa.
As questões, segundo o juiz, “tinham por motivo óbvio constranger o presidente da República e provavelmente buscavam com isso provocar alguma intervenção indevida de Temer em favor de Cunha”, o que não ocorreu. E que isso não representou cerceamento da defesa, como alegam os advogados de Cunha.
No fim da sentença, Moro destacou o trabalho da Procuradoria-Geral da República, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal, citando em especial o ministro Teori Zavascki, que era relator da Lava Jato, no STF, e morreu em janeiro num acidente de avião.
Os advogados de Eduardo Cunha afirmaram que vão recorrer. E que a velocidade com que o juiz Sérgio Moro deu a sentença mostra parcialidade na condução do processo.”

Assista a reportagem completa em vídeo.



Brasil 28.03.17 11:32
Por favor, leia estes trechos do despacho de Sérgio Moro que autorizou a prisão preventiva de Roberto Gonçalves:









Moro defende prisões preventivas.
Em despacho, Moro defende prisões preventivas: "essencial para interromper crimes"

"A prisão preventiva, embora excepcional, pode ser utilizada, quando presente, em cognição sumária, boa prova de autoria e de materialidade de crimes graves, e a medida for essencial à interrupção da prática profissional de crimes e assim proteger a sociedade e outros indivíduos de novos delitos", diz Moro.

LEI Nº 12.403, DE 4 DE MAIO DE 2011.
Vigência
Altera dispositivos do Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941 - Código de Processo Penal, relativos à prisão processual, fiança, liberdade provisória, demais medidas cautelares, e dá outras providências.
§ 6o  A prisão preventiva será determinada quando não for cabível a sua substituição por outra medida cautelar (art. 319).” (NR)  Art. 282 CPP

Prisão em Flagrante, Prisão Preventiva e Prisão Temporária – Distinções
Publicado por Leonardo Castro
1. Prisões, medidas cautelares e liberdade provisória
1.1. Introdução:
Para a CF/88, em seu art. 5º, LVII, ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória. Ou seja, até a efetiva condenação, ninguém poderá ser preso (prisão-sanção). Fala-se, equivocadamente, em princípio da presunção de inocência. Contudo, o que se presume não é a inocência – inocentes, todos são, até prova em contrário -, mas a não culpabilidade. Portanto, até o trânsito em julgado da sentença condenatória, o acusado é, sim, inocente, e presume-se que não tenha praticado o delito.
Tendo isso em mente, que a pessoa é inocente até o trânsito em julgado, pergunta-se: é possível enviá-la à cadeia? Em regra, não. Entretanto, em situações excepcionalíssimas, é preciso conter a liberdade de alguém, ainda que inocente. Trata-se da prisão cautelar, que possui três espécies: a) prisão preventiva; b) prisão temporária; c) prisão em flagrante (alguns consideram-na “pré-cautelar”). A sua função, em hipótese alguma, deve ser a prévia punição do acusado. Se uma panela serve para cozinhar, as grades da prisão devem servir para restringir a liberdade, quando a locomoção de determinada pessoa põe em risco interesses maiores, e não para puni-la antecipadamente. Da mesma forma, as algemas devem ser utilizadas quando, o que se busca, é a limitação dos membros do corpo humano, e não o vexame do preso.
Portanto, a prisão cautelar é, em verdade, meio de contenção da locomoção. Em algumas situações, é possível que se alcance o objetivo desejado sem que se use a técnica do “engaiolamento”, por meio de medidas menos gravosas. A elas, damos o nome de medidas cautelares diversas da prisão, previstas nos artigos 319/320 do CPP. Destarte, quando a prisão cautelar não for necessária para fim algum, o acusado de um crime deverá aguardar o desfecho do processo em liberdade (intitula-se liberdade provisória), e, ao final, caso seja comprovado que, de fato, praticou o crime, ser-lhe-á imposta a prisão tão desejada pela vítima e pela sociedade: a prisão como sanção, em resposta ao mal por ele causado.



Íntegra da Decisão de Sérgio Moro

PEDIDO DE PRISÃO PREVENTIVA Nº 5011206-30.2017.4.04.7000/PR 
REQUERENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
 ACUSADO: ROBERTO GONCALVES

 DESPACHO/DECISÃO 

1. Trata-se de pedido formulado pelo MPF de prisão preventiva de Roberto Gonçalves (eventos 1).

 Passo a decidir. 

2. Tramitam por este Juízo diversos inquéritos, ações penais e processos incidentes relacionados à assim denominada Operação Lavajato. 

A investigação, com origem nos inquéritos 2009.7000003250-0 e 2006.7000018662-8, iniciou-se com a apuração de crime de lavagem consumado em Londrina/PR, sujeito, portanto, à jurisdição desta Vara, tendo o fato originado a ação penal 5047229-77.2014.404.7000. 

Em grande síntese, na evolução das apurações, foram colhidas provas, em cognição sumária, de um grande esquema criminoso de cartel, fraude, corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da empresa Petróleo Brasileiro S/A - Petrobras cujo acionista majoritário e controlador é a União Federal. 

Grandes empreiteiras do Brasil, entre elas a OAS, UTC, Camargo Correa, Odebrecht, Andrade Gutierrez, Mendes Júnior, Queiroz Galvão, Engevix, SETAL, Galvão Engenharia, Techint, Promon, MPE, Skanska, IESA e GDK teriam formado um cartel, através do qual teriam sistematicamente frustrado as licitações da Petrobras para a contratação de grandes obras. 

Além disso, as empresas componentes do cartel, pagariam sistematicamente propinas a dirigentes da empresa estatal calculadas em percentual, de um a três por cento em média, sobre os grandes contratos obtidos e Evento 4 - DESPADEC1 https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=acessar_docume... 1 de 15 28/03/2017 10:53 seus aditivos. Também constatado que outras empresas fornecedoras da Petrobrás, mesmo não componentes do cartel, pagariam sistematicamente propinas a dirigentes da empresa estatal, também em bases percentuais sobre os grandes contratos e seus aditivos. (...)

(...)

As mesmas razões são aqui pertinentes, pois Roberto Gonçalves tem, em cognição sumária, outras contas secretas no exterior, como a conta em nome da Spoke Investments nas Bahamas, além de ter utilizado conta em nome de terceiro mantida na China para transferir ativos criminos que eram mantidos na contas da Suíça, com isso praticando novos atos de lavagem, além dos iniciais, caracterizando não só reiteração delitiva, mas atos de frustração do sequestro e confisco criminal, o que coloca em risco a integral recuperação do produto do crime e, por conseguinte a aplicação da lei penal. Essas contas na China e nas Bahamas estão por ora fora do alcance das autoridades brasileiras ou suíças e podem conter ativos muito superiores aqueles que lhes foram transferidos das contas na Suíça. Isso, sem olvidar, as aludidas anotações manuscritas que sugerem a existência de outras off-shores e a movimentação de ativos. Evento 4 - DESPADEC1 https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=acessar_docume... 13 de 15 28/03/2017 10:53 Inviável, por outro lado, substituir a prisão preventiva por medidas cautelares alternativas, uma vez que os crimes foram praticados subrepticiamente, inclusive a lavagem, e não há como prevenir novos atos de lavagem e de dissipação de ativos com medidas cautelares alternativas, especialmente quando desconhecido o local para o qual o investigado enviou parte dos ativos dissipados e quando outra parte esta fora do alcance das autoridades brasileiras ou suíças. Uma última consideração. No processo 5050502-30.2015.4.04.7000, foi autorizada busca e apreensão nos endereços do investigado Roberto Gonçalves. Na ocasião, requerida e decretada a prisão temporária por cinco dias. Não foi requerida ou decretada a prisão preventiva dele por dois motivos. Ausente, naquele momento, a carga probatória suficiente, o que só foi somente agora satisfeito com a vinda da documentação das contas na Suíça. Ausente ainda naquele momento a informação de que o investigado, já durante as apurações na Operação Lavajto, havia, em cognição sumária, praticado novos atos de lavagem, apresentado documentos falsos ao Banco na Suíça para justificar as movimentações, e dissipado parte dos ativos mantidos no exterior. A prova nova e o surgimento superveniente dos fundamentos da prisão preventiva autorizam a sua decretação ainda que não tenha sido ela requerida ou decretada anteriormente. 3. Ante o exposto, defiro o requerido pelo MPF para, presentes os pressupostos da prisão preventiva, boa prova de materialidade e de autoria, e igualmente os fundamentos, risco à ordem pública, à aplicação da lei penal e à instrução decretar, com base nos arts. 311 e 312 do CPP, a prisão preventiva de Roberto Gonçalves. Expeça-se o mandado de prisão preventiva contra ele, consignando a referência a esta decisão e processo, aos crimes do art. 1.º da Lei nº 9.613/1998 e do art. 317 do Código Penal. 4 .A competência é, em princípio, deste Juízo. Como exposto acima, os fatos descritos nesta decisão estão relacionados à supostas propinas pagas em contratos da Petrobrás e que já são objeto de apuração perante este Juízo, em alguns casos já com sentenças contra outros envolvidos. A conexão é, portanto, evidente. Além disso, a competência é da Justiça Federal, pois a corrupção e a lavagem de dinheiro são transnacionais, com depósitos de propina e movimentação em contas secretas no exterior, o que define a competência da Justiça Federal, conforme Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção de 2003, que foi promulgada no Brasil pelo Decreto 5.687/2006, combinado com o art. 109, V, da Constituição Federal. Evidentemente, se for o caso, a competência do Juízo poderá ser Evento 4 - DESPADEC1 https://eproc.jfpr.jus.br/eprocV2/controlador.php?acao=acessar_docume... 14 de 15 28/03/2017 10:53 5011206-30.2017.4.04.7000 700003139014 .V46 SFM© SFM questionada por meio de exceção, quando essas questões, após oitiva do MPF, serão revistas e examinadas com maior profundidade. 5. As considerações ora realizadas sobre as provas tiveram presente a necessidade de apreciar o cabimento da prisão requerida, tendo sido efetuadas em cognição sumária. Por óbvio, dado o caráter das medidas, algum aprofundamento na valoração e descrição das provas é inevitável, mas a cognição é prima facie e não representa juízo definitivo sobre os fatos, as provas e as questões de direito envolvidas, algo só viável após o fim das investigações e especialmente após o contraditório. Decreto o sigilo sobre esta decisão e sobre os autos do processo até a efetivação da prisão e das buscas e apreensões. Efetivadas as medidas, não sendo mais ele necessário para preservar as investigações, fica levantado o sigilo. Entendo que, considerando a natureza e magnitude dos crimes aqui investigados, o interesse público e a previsão constitucional de publicidade dos processos (artigo 5º, LX, CF) impedem a imposição da continuidade de sigilo sobre autos. O levantamento propiciará assim não só o exercício da ampla defesa pelo investigado, mas também o saudável escrutínio público sobre a atuação da Administração Pública e da própria Justiça criminal. Ciência à autoridade policial e ao MPF desta decisão. Curitiba, 24 de março de 2017. Documento eletrônico assinado por SÉRGIO FERNANDO MORO, Juiz Federal, na forma do artigo 1º, inciso III, da Lei 11.419, de 19 de dezembro de 2006 e Resolução TRF 4ª Região nº 17, de 26 de março de 2010. A conferência da autenticidade do documento está disponível no endereço eletrônico http://www.trf4.jus.br/trf4/processos/verifica.php, mediante o preenchimento do código verificador 700003139014v46 e do código CRC 0d306da7. Informações adicionais da assinatura: Signatário (a): SÉRGIO FERNANDO MORO Data e Hora: 24/03/2017 11:42



O currículo de Roberto Gonçalves, segundo Moro
Brasil 28.03.17 11:17
Sérgio Moro, em seu despacho que autoriza a prisão preventiva de Roberto Gonçalves:




PL 8045/10 - CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - Audiência Pública - 30/03/2017 -13:44

Referências


http://g1.globo.com/jornal-nacional/edicoes/2017/03/30.html#!v/5766067


http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/03/sergio-moro-condena-eduardo-cunha-15-anos-e-quatro-meses-de-prisao.html

http://www.oantagonista.com/posts/moro-volta-a-defender-prisao-preventiva-na-lava-jato

http://mundovelhomundonovo.blogspot.com.br/2017/02/moro-defende-prisoes-preventivas.html

http://s.conjur.com.br/dl/sucessor-pedro-barusco-petrobras-preso.pdf

http://www.oantagonista.com/posts/o-curriculo-de-roberto-goncalves-segundo-moro


quinta-feira, 30 de março de 2017

¿ Que Rei Sou Eu ?

¿ Trambiqueiro, Corruptor e Vagabundo ?

"O Brasil será, de fato, um país de trambiqueiros, condenado ao atraso e à pobreza, se perdoarmos a corrupção e deixarmos que intimidem as autoridades”. Procuradores da Lava Jato, em Folha.


"O Brasil é um exemplo de corrupção e vagabundagem."

Assinado por procuradores da Lava Jato, foi publicado na Folha de São Paulo, em 30/03/2017, com o título “Abusando das mentiras”, o artigo a seguir, transcrito de O Antagonista:

"Um país de trambiqueiros"

Carlos Fernando dos Santos Lima, Júlio Noronha e Roberson Pozzobon.

“Até quando interesses escusos abusarão da paciência do povo brasileiro? Por quanto tempo haverá tentativas de reduzir as relações espúrias entre políticos e empresários, colocadas a nu pela Lava Jato, a um compromisso sem consequências nefastas para nosso país?
Até quando zombarão de nós aqueles que afirmam que congressistas são apenas ‘despachantes de luxo’, intermediários de inofensivos interesses das empresas?
Nunca antes ficaram tão evidentes as causas e as consequências da corrupção endêmica que nos afeta. Mas já intuíamos isso. Como entender que um país tão rico tenha uma população tão pobre?
Sabíamos que a corrupção desviava recursos públicos apenas para aumentar lucros de empresas e pagar propina.
E que esse ‘acarajé’, esse suborno, chegava aos agentes públicos de diversas formas, desde o benefício indireto do uso de aviões, empregos para filhos e residências na praia até depósitos em contas no exterior, pagamentos em espécie e financiamento de caras campanhas eleitorais.
O câncer da corrupção corrói a própria democracia ao subverter as eleições. Dinheiro de corrupção irriga as campanhas políticas por meio de caixa um ou dois. Importa aqui a sua origem escusa. Proveniente de corrupção, esse valor não muda sua natureza pela aplicação posterior que lhe é dada. Mais que isso, tentar esconder sua gênese configura também o crime de lavagem de dinheiro.
E agora nem o temor da população impede mais as manobras. Políticos envolvidos no escândalo apresentam propostas para anistiar a prática ilícita e punir quem os investiga, processa e julga. Acham-se acima da lei só porque foram escolhidos para legislar. Não percebem que essa conspiração já é do conhecimento de todos.
Assim, apócrifos projetos de lei passeiam no Congresso com o objetivo de anistiar a corrupção, disfarçados como apenas uma anistia ao caixa dois. Afinal, por qual motivo os políticos deveriam temer ser acusados por esse tipo de crime?
Reportagem da rádio CBN de 2016 apontou que o TSE possui apenas uma única condenação criminal por caixa dois em sua história. Então, ainda que não anistiado de direito, há muito foi anistiado de fato.
Além desses projetos, outro tão nocivo já se encontra em tramitação acelerada no Senado. De autoria do senador Renan Calheiros, visa, sob a fachada de tratar do abuso de autoridade, apenas ameaçar aqueles que investigam, processam e julgam a corrupção.
Qual outro motivo para tanto açodamento, sem um debate amplo perante a sociedade? Por que não dão ouvidos à consulta pública feita pelo Senado em seu portal, em que 98% das respostas são contra o projeto como proposto?
Quem diz apoiar a anistia ao caixa dois deseja, na verdade, a anistia à corrupção, o fim das investigações da Lava Jato e a soltura dos condenados.
Mente, portanto, aquele que diz que o loteamento dos cargos públicos é o preço para governar o país, quando se sabe que dele resultam corrupção e falta de serviços públicos para a sociedade.
Torna-se um simples despachante a mando de criminosos aquele que defende interesses escusos na esperança de se manter na política. Por fim, abusa da autoridade aquele que a usa para criar leis com o objetivo tão somente de ameaçar procuradores e juízes.
Advogar essas ideias é desprezar a sociedade. Sabemos quem são e onde se encontram essas pessoas. Não ignoramos o que fizeram em noites passadas e que decisão tomaram.
São tempos difíceis, mas devemos, como povo, tomar os caminhos certos. O Brasil será, de fato, um país de trambiqueiros, condenado ao atraso e à pobreza, se perdoarmos a corrupção e deixarmos que intimidem as autoridades”.


"Deputado entrega toda a quadrilha a Sérgio Moro em depoimento 21/03/2017"

Cena do folhetim Que Rei Sou Eu?, exibido pela Rede Globo em 1989:


"O Brasil é um exemplo de corrupção e vagabundagem."


Depoimento de Arlindo Chinaglia como testemunha na Lava Jato





"Depoimento de Lindbergh Farias a Sérgio Moro como testemunha de Palocci 29/03/201"


"Depoimento de Paulo Pimenta a Sérgio Moro como testemunha de Palocci 29/03/2017"


"Sérgio Moro e advogado de Antonio Palocci discutiram nesta segunda"

¿ Que Rei Sou Eu ?



¿ Que Rei Sou Eu ? - capítulo 1 - parte I

quarta-feira, 29 de março de 2017

ENSAIO do quinto do ouro

O quinto do ouro no regime tributário nas Minas Gerais
A cobrança do quinto tem origem no regime tributário português e, assim como os direitos de entrada e a capitação, foi introduzida em Minas Gerais a partir da descoberta do ouro, incidindo não apenas sobre a produção aurífera, mas também sobre o comércio de escravos e de gado.

'O quinto do ouro': STJ manda prender 5 dos 7 conselheiros do TCE-RJ; Picciani vai depor à força
Força-tarefa desvenda esquemas de conselheiros do TCE-RJ que cobravam propina para ignorar irregularidades em obras e sistema de transportes


Justiça determina prisão de cinco conselheiros do TCE do RJ
A suspeita é de desvio de dinheiro público.
Uma grande operação foi realizada na manhã dessa quarta-feira (29).

Bette Luchese e Ana Carolina Raimundi
Rio de Janeiro

http://g1.globo.com/jornal-hoje/edicoes/2017/03/29.html#!v/5761690

A Justiça determinou a prisão de cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro por suspeita de desvio de dinheiro público. Uma grande operação foi realizada na manhã dessa quarta-feira (29), que mobilizou cerca de 200 policiais federais. Foram cumpridos 20 mandados de busca e apreensão e seis de prisão temporária contra um ex-conselheiro, Aloysio Gama, e contra cinco dos sete conselheiros.
Esses mandados foram determinados pelo Superior Tribunal de Justiça, porque os suspeitos têm foro privilegiado. Também foram cumpridos 17 mandados de condução coercitiva. Entre essas pessoas estão Lélis Marcos Teixeira, presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do RJ (Fetranspor), e também o presidente da Assembleia Legislativa do estado, deputado Jorge Picciani, do PMDB. Veja mais detalhes da operação no vídeo acima.




O Quinto dos Infernos episódio 01

Referências

http://www.siaapm.cultura.mg.gov.br/acervo/rapm_pdf/O_quinto_do_ouro_no_regime_tributario_nas_Minas_Gerais.PDF

http://oglobo.globo.com/brasil/o-quinto-do-ouro-stj-manda-prender-5-dos-7-conselheiros-do-tce-rj-picciani-vai-depor-forca-21128038


http://g1.globo.com/jornal-hoje/noticia/2017/03/justica-determina-prisao-de-cinco-conselheiros-do-tce-do-rj.html

domingo, 26 de março de 2017

Truco Rato!!!


Lava Jato de Brasília...

...Vazamentos, Vedetes e Manilhas Velhas

"A melhor defesa é o ataque? Napoleão discordaria"

...Principalmente quando não se é mais o ZAP.

"De molecagem Lula entende"
Brasil 25.03.17 17:51
Lula chamou Deltan Dallagnol de moleque.
Efraim Filho, líder do DEM na Câmara, comentou:
"De molecagem, Lula entende. Ele fez da economia uma montanha russa; do petrolão, um carrossel; do desemprego, um trem fantasma e no brasileiro colocou um nariz de palhaço."



Ou mentem ou pior: acreditam no que dizem!
25/03/2017 - 02h05
Ricardo Noblat
Há duas possibilidades: eles dizem o contrário do que pensam – logo, mentem. Seria grave. Ou eles de fato acreditam em tudo que dizem – o que seria muito mais grave.
O seminário organizado pelo PT sobre a Lava Jato pecou pelo próprio nome. Passou a ideia de que ali se examinariam virtudes e defeitos da operação que completou três anos.
Mas não. Foi um seminário para condenar a Lava Jato. Apontou-se defeitos. Transformou-se qualidades em defeitos.
A frase do jornalista Mino Carta, editor da revista Carta Capital, resumiu tudo:
- A Lava Jato foi a alavanca do golpe.
O “Fora, Temer” não faltou na fala do escritor Fernando Moraes. Deu-se razão até ao ministro Gilmar Mendes que critica o vazamento de informações da Lava Jato e as "delações extorquidas".
Lava Jato x Operações Mãos Limpas, da Itália? Diz-se que a Itália tem tribunais constitucionais rigorosos que por lá regulam tudo. Quanto aqui, o Supremo Tribunal Federal é cúmplice dos deslizes de Moro.
O juiz foi alvo da suspeita de que possa estar a serviço de interesses internacionais. Moro costuma viajar com regularidade aos Estados Unidos e a reunir-se com o FBI. Logo...
A plateia de convertidos às crenças dos expositores comoveu-se quando Lula começou a falar. A falar chorando para se queixar de perseguição.
Menos de 24 horas depois da revelação de delatores da Odebrecht que deixaram em xeque a honestidade dele e de Dilma, Lula não disse uma só palavra a respeito. Repetiu o de sempre.
A desconexão do PT da realidade é espantosa.


Lula (Foto: Paulo Pinto / Agência PT)




Até o PT sabe que Lula fez campanha antecipada
Brasil 25.03.17 11:56




A carreata da vergonha foi um ato tão descarado de campanha antecipada, que até os petistas decidiram dar um tempo. O lançamento oficial da candidatura de Lula, prevista para o início de maio, ficará para depois do depoimento do petista a Sérgio Moro.
A justificativa de Rui Falcão para o adiamento: “Não queremos dar pretexto a nenhum tipo de acusação forjada de que ele está se antecipando à campanha eleitoral e, a partir daí, sofrer multas.”
As informações são do Globo.



As alegações finais da defesa de Dilma no TSE
SAB, 25/03/2017 - 11:22
Luis Nassif
Aí vai a íntegra da defesa de DILma Rousseff no TSE.
Ajudem o GGN a identificar os pontos principais.





AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO
Gilmar abre sindicância para apurar vazamento de depoimentos sigilosos

24 de março de 2017, 20h03
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, criou uma comissão de sindicância para apurar denúncias de vazamento à imprensa de trechos de depoimentos sigilosos da ação de investigação da chapa Dilma-Temer. Gilmar nomeou uma juíza auxiliar da Presidência, o coordenador de infraestrutura de TI do tribunal e um representante da Corregedoria-Geral Eleitoral.



Ministro Gilmar Mendes quer saber como trechos de depoimentos prestados por executivos da Odebrecht ao TSE foram repassados a jornalistas.
Nelson Jr./SCO/STF
A intenção do ministro é saber como trechos de depoimentos prestados por executivos da Odebrecht ao TSE foram repassados a jornalistas. A comissão tem 60 dias para apresentar um resultado.
Executivos da construtora falaram como testemunhas na ação, que investiga se a chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições de 2014, cometeu crime de abuso de poder econômico. A denúncia, feita pelo PSDB, partido derrotado no pleito de 2014, é de que dinheiro da Petrobras abasteceu a campanha da chapa vencedora por meio de contratos superfaturados com empreiteiras.
Os depoimentos da Odebrecht constam de relatório feito pelo ministro Herman Benjamin, relator da ação, distribuído aos ministros na tarde da quinta-feira (24/3). As falas são sigilosas porque os executivos fizeram acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal na operação “lava jato”.
Na própria quinta, o ministro Herman, corregedor-geral Eleitoral, determinou a abertura de “procedimento interno” para apurar os vazamentos.

Revista Consultor Jurídico, 24 de março de 2017, 20h03





Lula defende aprovação da lei contra abuso de autoridades, após criticar Moro e Dallagnol
SAB, 25/03/2017 - 10:59
ATUALIZADO EM 25/03/2017 - 11:00


Jornal GGN - Em seminário promovido pelo PT para discutir os desdobramentos da Lava Jato, o ex-presidente Lula defendeu a aprovação de uma lei contra abuso de autoridades e criticou o modus operandi da força-tarefa, que costuma inventar um crime para incutir nas pessoas e usar a imprensa para facilitar o julgamento.
"Acho que o PT tem obrigação de, no Congresso, aprovar a lei de abuso de atuoridade, porque ninguém está acima dessa discussão", defendeu o ex-presidente.
Emocionado, Lula disse que o que a Lava Jato faz no Brasil é a "coisa mais sem-vergonha", ao se referir ao uso, pelo juiz Sergio Moro, da "imprensa, para execrar pessoas investigadas junto à opinião pública e facilitar julgamentos".  
"Mas eles deram o maior azar porque foram mexer com quem não deveria ter mexido. Nem Moro, nem os procuradores têm a lisura e a ética que eu tive nesses 71 anos de vida", disparou Lula. "Eu quero é ver qual vai ser o crime imputado a mim", acrescentou.

Lula ainda disse que os militantes do partido devem tomar a Lava Jato como uma lição e retomar o orgulho. Ele disse ainda que aqueles que foram pegos praticando crimes devem responder, mas aqueles que são denunciados sem provas devem receber a solidariedade dos companheiros de legenda.

Novamente, Lula disse que não é admissível que a Lava Jato destrate o PT sem que ninguém faça nada. "E aquele Dallagnol sugerir que o PT foi criado para ser uma organização criminosa… O que aquele moleque conhece de política? Ele nem sabe como se monta um governo. Não tem a menor noção. Ele acha que sentar em cima da Bíblia dele dá a solução de tudo”, comentou Lula.





'Gestor não inspira nada, tem que ser líder', diz FHC
Ex-presidente critica mote adotado por prefeito de São Paulo, João Doria, e afirma que o governador Geraldo Alckmin é o tucano 'mais bem posicionado' para disputar eleição de 2018

Pedro Venceslau, Eduardo Kattah e Alexandra Martins ,
O Estado de S.Paulo
24 Março 2017 | 12h25
Em entrevista ao Estado, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), é o tucano "mais bem posicionado" para disputar a eleição presidencial em 2018. FHC também criticou o mote de gestor, adotado pelo prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), que tem sido apontado como potencial candidato ao Palácio do Planalto. 
FHC aborda ainda sua relação com o PSDB enquanto foi presidente e sua “irritação” com adversários políticos da época – temas presentes no terceiro dos quatro volumes de Diários da Presidência (Companhia das Letras).
"Chegou o momento de olhar para frente", diz FHC

Como o sr. vê os políticos que se colocam como não políticos?
Tem muitos aí e vão continuar fazendo isso (se colocar como não político). O momento é para o não político, mas é político. O que é político com P maiúscula? Alguém que inspira, que pode conduzir. Se você for um gestor, você não vai inspirar nada. Tem que ser líder, e líder é alguém que inspira o caminho, certo ou errado, aí cada um vai dizer. No caso, quem ganha eleição, inspirou de alguma maneira. Vai inspirar o Brasil? Não é simples.
João Doria pode ser um nome do PSDB para a disputa presidencial de 2018?
Ele (Doria) diz que não é, e eu acredito nele.
Os outros três pré-candidatos (Geraldo Alckmin, José Serra e Aécio Neves) são citados na Operação Lava Jato...
Não dá para prever o nome do partido antes de ver o que vai acontecer, é precipitado. Eu me guardo.
Em entrevista ao 'Estado', no ano passado, o sr. disse que o José Serra era o nome mais bem posicionado para 2018. O Geraldo Alckmin é o mais bem posicionado hoje?
Se você olhar nos dias de hoje, sim. E o Doria apoia o Geraldo. Ele (Doria) disse a mim recentemente e eu acho que é verdade. Ele apoia o Geraldo. O balão está subindo então todo mundo começa a apostar. Agora, será o Geraldo? Não sei. Primeiro eu não tenho força no partido, eu não sou um homem do PSDB, eu não sou da máquina. Tudo isso vai depender do que vai acontecer nos próximos meses.
Por que Alckmin está melhor posicionado?
O Alckmin tem um fator de poder na mão: ele é governador de São Paulo. Ele tem uma força grande, ele tem mais estrutura na mão. Agora, isso é decisivo? Não. Depende do clima, do que vai acontecer. No fim, o PSDB, como sempre fez, pode ter três ou quatro candidatos e vai afunilar. Não sei se vai afunilar, não vai, se vem outro e faz aliança, se haverá a questão do outsider.
O Alckmin está pressionando o PSDB para precipitar as prévias. O sr. apoia essa demanda?
Ele não vai precipitar. O PSDB não tem razão para precipitar. O Lula já está se precipitando porque tem necessidade de ser candidato para manter coesão do PT e para dizer que está sendo perseguido. Já o PSDB, eu acho que tem que ter um candidato com tempo suficiente para se organizar. Tem que deixar passar essa tempestade na qual estamos. Quem é acusado de quê? Ninguém sabe. Por enquanto é notícia ‘ouvi dizer que’.
O sr. teme que o Geraldo Alckmin saia do PSDB?
Não, o Geraldo é um político de lealdade. Ele não vai sair. Ele vai tentar aliança com outros partidos, como é natural que o faça. Ele vai lutar dentro do PSDB.
Há um acordo de “salvação nacional” entre os investigados na Lava Jato?
Ninguém vai se salvar às custas de passar uma borracha. Não dá. Mas temos que pensar no futuro do Brasil. E pensar com quem? Com quem não está comprometido com os malfeitos. Chegou um momento no Brasil em que precisamos olhar para frente.
O sr. fez um vídeo no qual critica movimentação de projeto de lista fechada e declara que cabe à Justiça julgar se há crime eleitoral. É uma crítica ao projeto de anistia do caixa 2?
Certamente é. Qualquer tentativa de anistiar não vai dar certo porque a sociedade não vai concordar. Além do mais, desde uma nota que eu dei lá da Europa, que era a respeito de uma crítica ao Aécio (delator da Odebrecht disse que na campanha de 2014 repassou R$ 9 milhões a políticos do PSDB e do PP e a marqueteiro tucano a pedido do então candidato à Presidência Aécio Neves), que não era verdadeira porque o Aécio disse que não fez, eu disse: ‘além disso tem que dar prevalência à Justiça'. Segundo, a Justiça vai ter que separar os vários tipos de crime. Eu não usei crime para (classificar) caixa 2: ‘é algo errado que tem que ser punido', disse. 'Errado', que tem que ser punido, é um delito. Mas é separado. Eu te mato, é uma coisa, e dou uma surra nele, é outra coisa. Os dois estão errados: dar surra ou matar. Mas é diferente. Então foi isso que eu disse. Aquela nota foi lida, porque estava num momento tenso no Brasil, como se eu quisesse borrar os malfeitos. Não era essa a intenção. Era: ‘há malfeitos e malfeitos, vamos distinguir’. Quem foi que disse a mesma coisa que eu? Uma pessoa que não conheço, o Deltan Dallagnol (coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato). Ele disse: ‘nós não estamos visando o caixa 2, nós estamos visando corrupção'. Pode ser no caixa 1, no caixa 2 ou fora deles. Isso quer dizer que o caixa 1 ou caixa 2 não sejam passíveis de punição? É passível. Mas não sou eu quem julga se é caixa 1 ou caixa 2, se é corrupção, se não é, é a Justiça.


Foto: JF Diorio/Estadão
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso concede entrevista ao 'Estado', na Fundação FHC
Qual sua opinião sobre a lista fechada?
Nunca tive alinhamento com a lista fechada. Isso era uma ideia do PT. Se for lista fechada, eu prefiro o sistema belga. A lista é fechada, mas o eleitor escolhe a ordem. Porque se não você está na mão dos caciques. Mas a minha maior dúvida é outra: não tem partido no Brasil. Eu vi recentemente uma pesquisa. Tem mais ou menos três partidos que o povo conhece: o PT, o PMDB e PSDB, e um pouquinho do PSOL. O resto é nada. Você vai fazer o povo escolher entre esses três?
No livro, o sr. chamou Ciro Gomes de hipócrita, mau-caráter. Como vê o projeto político dele?
Eu acho que é a esquerda que tem de responder. Mas esse é um bom momento para eu esclarecer o seguinte: o que eu digo no livro são os meus sentimentos naquele momento. Não é um julgamento tranquilo, é quase um desabafo. E o Ciro quando ofende, você reage. Ele não foi o único. Em vários momentos no livro eu fico irritado. Não é um julgamento de pessoas e da história. O valor que isso tem é documental. 
O sr. chamou o Lula de mau-caráter, por exemplo.
Pois é. Eu diria isso hoje? Não.
Do Ciro também não?
Eu não diria, mas na hora ele disse alguma coisa que me fez reagir dessa maneira. Tem que ter noção da circunstância. É arriscado? É. Talvez fosse mais conveniente publicar depois de morto, mas nem eu poderia dizer o que estou dizendo nem os outros poderiam se defender por estarem mortos também. 
Pelos registros, o PSDB tinha uma relação difícil com o senhor.
Uma coisa é o partido, outra coisa é o governo. Quem está no governo tem uma responsabilidade pública nacional, e o partido, o próprio nome diz, é uma parte. Você não pode achar que essa parte, estando você no governo, sobreponha o todo. E você, quando é eleito, diz ao País qual é a sua visão. A minha visão não era necessariamente a do PSDB porque, embora eu seja talvez o principal redator do programa do partido, eles dizem uma coisa e, na prática, eles atuam de outra maneira. O PSDB era um partido que nasceu como social-democrata. Eu não queria nem esse nome. Por quê? Eu, que sou sociólogo, vou ter o trabalho de explicar como é um partido social-democrático que não nasce dos sindicatos. Reconheço que as forças econômicas existem, que o mercado é um fator importante e que o Estado tem que ter um papel para compensar o que o mercado não faz. Até que ponto o PSDB se imbuiu disso? Não sei. 
O sr. se arrependeu de não ter privatizado Furnas?
Eu tentei e não consegui.
Havia resistência do Aécio.
De todos os partidos, porque eles têm interesse corporativo e não porque têm interesse financeiro. É por causa de sustentação no poder. 
No livro o sr. reclama da dificuldade de dialogar com a oposição.
O PT tinha medo das consequências de entrar em algum tipo de negociação com o governo.
É possível que haja hoje um diálogo entre você e Lula? 
Do ponto de vista pessoal, nunca houve ruptura minha com Lula. Há um distanciamento e uma visão diferente do que é melhor para o País. Muitas pessoas me pediram para falar com o Lula. Eu nunca recusei. O Lula jamais quis, mesmo quando era presidente. Eu insistia, mas não havia uma real motivação do Lula para conversar. Agora, talvez, com uma situação tão difícil no Brasil. Mas qual é a pauta? 
Qual seria essa pauta?
O Brasil precisa sair dessa encalacrada que entrou, com 12 milhões de desempregados. Um tema nacional é o sistema partidário, que não funciona. Quer discutir isso? Então tem pauta. 
Michel Temer ainda o procura, mesmo após o caso da ‘pinguela’?
Sim. Conheço Michel Temer há muitos anos. Sempre tivemos relação boa. Nunca conversei com ele senão assuntos políticos. A pinguela não era ele, mas o momento. 
O sr. no livro mostrou incômodo com a movimentação do Aécio para presidir a Câmara. Ele se achava o eixo de toda a política? 
Ele é muito meu amigo. O PSDB se queixava muito que era preterido no governo. Em parte, tinha razão. O PSDB, diferentemente do PT, não tinha força suficiente. Eu precisava do equilíbrio entre PMDB e PFL e, de fato, sacrificava o PSDB. O Aécio é muito hábil, então o partido começou a querê-lo como presidente da Câmara. Eu não me meti, o Aécio virou presidente da Câmara e eu ganhei um abacaxi. A briga entre PFL e PMDB não acabou mais. 
O Aécio queria chutar o PMDB depois da votação da CPMF.
Não era só o Aécio. Muita gente do PSDB queria chutar o PMDB. Então como governo? 
O sr. diz que o PMDB tinha um jeito descarado.
O PMDB é um partido de Estado. PSDB e PT eram polos eleitorais. O PMDB nunca foi polo de nada. Sempre foi o partido que era capaz de fazer a engrenagem pública funcionar. O PMDB continua sendo um partido que manobra o Estado, mas não leva o Brasil.
Quem vai levar?
Não tenho bola de cristal. 


Regras do Truco

- CARTAS DO BARALHO PARA JOGAR-SE TRUCO:

Para jogar truco utiliza-se apenas um baralho. Apenas retiram-se deste baralho as cartas 8, 9, 10, além dos curingas. A ordem de força das cartas é a seguinte sequência:
3 é a maior carta 'normal' (Manilhas são maiores que o 3) e 4 as menores cartas
3 2 A K J Q 7 6 5 4 (sem interessar o naipe das mesmas)





As Manilhas são as quatro cartas mais fortes do jogo. Elas são fixas na Manilha Velha,
e variáveis (dependem da vira) na Manilha Nova.
As Manilhas são maiores que o 3, e SEMPRE dependem do Naipe. Veja no tópico: Manilhas

- AS MANILHAS - As vedetes do TRUCO

As Manilhas são as cartas mais fortes do jogo, mais fortes do que o 3.
Temos as Manilhas Tradicionais da Manilha Velha, que são:
4 paus é o ZAP, 7 copas é o 7 Copas, Ás de espadas é o Espadilha e 7 ouros é o Ourinho. SEMPRE.





Como o baralho é facilmente marcado com unhas de propósito pelos participantes para conseguir-se alguma vantagem, foi criada a Manilha Nova
Na Manilha Nova, ao distribuir as 3 cartas para cada um dos participantes, é necessário que se vire uma carta (a vira), que será colocada visível a todos os jogadores, ficando abaixo do monte.
Ela indica que a carta seguinte (mais forte) que a vira, baseada em seus 4 diferentes naipes serão as Manilhas.
As manilhas tem sua força baseada nos naipes das Manilhas Velhas, e seus apelidos vem das velhas, como segue (ZAP é a maior carta):
Paus é o ZAP > Copas é o 7 Copas > Espadas é o Espadilha > Ouros é o Ourinho.
Exemplo: quando a vira for 4(sem interessar o naipe da vira) 



as manilhas são todos os 5, sendo o Zap o 5 de Paus, como no desenho abaixo:



Obs.: quando a vira for 3, as manilhas são as cartas 4
As manilhas tem outros apelidos, também:
7 Copas = Escopeta
7 Ouros = Ourinho ou pica fumo



A melhor defesa é o ataque? Napoleão discordaria


A estratégia napoleônica de avançar inadvertidamente sobre o frio território russo o conduziu a cidades intencionalmente queimadas pelo governo local. Nessas cidades, não restavam alimentos nem abrigos

Há uma frase consolidada na cultura popular, usada em contextos tão diversos quanto uma partida de futebol e uma guerra, que diz que “a melhor defesa é o ataque”.  A máxima pode ser reforçada por vários exemplos históricos importantes, porém, nem sempre é a melhor estratégia. Existe ao menos um exemplo na história moderna que demonstra justamente o contrário: a defesa – ou o recuo – é a melhor forma de atacar. Napoleão Bonaparte foi imperador da França durante os anos de 1804 e 1814. Foi um ditador bastante popular e estrategista militar de muita competência, mostrando-se muitas vezes implacável com seus inimigos. Tal habilidade permitiu que o seu império expandisse territórios e se impusesse sobre várias nações e povos. Contudo, como todo grande técnico que um dia é surpreendido pelo esquema adversário, o imperador também sofreu uma derrota estratégica importante diante de um adversário consideravelmente inferior. A Rússia, liderada pela figura do Marechal Kutuzov, fez valer o fator “campo” para impor uma estratégia até então desconhecida na história moderna, conhecida como terra arrasada.

Em 1812, o Império Francês atingiu o seu ápice. Napoleão tinha conquistado quase todos os territórios da Europa Ocidental – à exceção do Reino Unido, que resistia graças à sua posição insular no continente e à superioridade técnica de sua Marinha – além de muitos territórios do lado Oriental, dos quais os mais destacados eram a Áustria, derrotada em 1805, e a Prússia, dominada no ano seguinte. Mais à leste, o czar russo acabara de violar o tratado firmado com a França de não comercializar produtos com a Inglaterra – estratégia conhecida como “Bloqueio Continental”, que visava ao enfraquecimento econômico deste inimigo. Foi quando Bonaparte, diante da superioridade de seu exército, tanto em termos de contingente de soldados quanto em armamento, decidiu empreender a campanha contra os russos.

A Rússia, por sua vez, sob liderança de Kutuzov, em evidente desvantagem e percebendo que o enfrentamento direto com Napoleão implicaria a sua derrota iminente, adotou a estratégia de recuar para o interior do país, destruindo pelo caminho todos os recursos que pudessem ser aproveitados pelos inimigos, desde a queima de plantações e a caça de animais que poderiam servir de alimento, até a destruição de estalagens e construções que pudessem ser usadas como abrigos. Assim, conforme o exército napoleônico adentrava sem resistência o território russo, encontrava pelo caminho nada além de terras dizimadas, sem qualquer proveito. Além disso, conforme se avançava pelo interior do país, ficavam cada vez mais distantes de seus territórios ocidentais, quais forneciam alimentos e suprimentos para a guerra. Enquanto isso, o Marechal Kutuzov recuava com o exército do czar, que era fortalecido com forças recrutadas pelas cidades que iam sendo destruídas, e aguardava a chegada do inverno russo com temperaturas bem baixo dos zero graus Celsius.

Com a chegada do inverno, Napoleão – que esperava finalmente tomar a cidade de Moscovo, antiga capital do império russo, o que se tornaria um importante marco na sua marcha – foi surpreendido pelas condições adversas do clima. Além disso, por estar a centenas de quilômetros dos territórios que controlava, percebeu não ter condições de renovar as provisões das tropas, as quais foram consumidas totalmente ao longo da campanha. Assim, não houve outra alternativa senão recuar. Foi somente nesse momento que Kutuzov decidiu atacar. Os franceses, enfraquecidos, foram surpreendidos na retirada por um exército russo em melhores condições físicas e acostumados ao clima rigoroso. Ao final das batalhas, apenas um quinto das tropas de Napoleão sobreviveu, derrota esta que se tornou o marco do início do declínio do Império Francês, que resistiu apenas mais três anos e demonstrou exemplarmente que, em alguns casos, contrariando o senso comum, a defesa é o melhor ataque.

Referências

http://www.oantagonista.com/posts/de-molecagem-lula-entende
http://noblat.oglobo.globo.com/meus-textos/noticia/2017/03/ou-mentem-ou-pior-acreditam-no-que-dizem.html
http://www.oantagonista.com/posts/ate-o-pt-sabe-que-lula-fez-campanha-antecipada
http://jornalggn.com.br/noticia/as-alegacoes-finais-da-defesa-de-dilma-no-tse
http://www.conjur.com.br/2017-mar-24/gilmar-abre-sindicancia-apurar-vazamento-depoimentos
http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,gestor-nao-inspira-nada-tem-que-ser-lider-diz-fhc,70001712638
http://www.guaru.com.br/trucorato/regras.asp
http://clickeaprenda.uol.com.br/portal/mostrarConteudo.php?idPagina=31687